Indaiatuba

Garoto Juninho tem recaída e morre em UTI de Campinas

A falta de materiais, co-mo kits para exames e de aparelhos na Secretaria Municipal de Saúde, foi apontada pelo vereador Agostinho Andrade Júnior (PPS) durante a palavra livre na sessão de segunda-feira. O órgão informou, através da Assessoria de Comunicação Social da Prefeitura, que realizou licitação para a contratação de uma nova empresa fornecedora e que a situação de se normalizar até a próxima semana. O parlamentar relatou que durante a semana anterior foi procurado por diversas pessoas referente ao serviço da rede municipal de Saúde. “Soro fisiológico faz mais de uma semana que não tem. O kit de pré-natal para diagnóstico de sífilis faz mais de um mês”, afirma. “Tem aparelho que não tem e falta a manutenção de equipamentos. Assim fica difícil a Saúde trabalhar bem. Mas enquanto isso, a Secretaria anuncia um superávit de R$ 2 milhões no Orçamento.” Ainda na palavra livre, o vereador Hélio Alves Ribeiro (PSB) afirmou que a situação se devia a uma mudança de fornecedor. “Há a necessidade de mudar também o equipamento, que é contratado no sistema de comodato”, diz. A Prefeitura declara que foi realizada uma nova licitação para a Secretaria da Saúde e que na ata de Registro de Preços, quem ganhou a concorrência para os exames de coagulação foi uma empresa diferente da que realizada os serviços anteriormente, o que ocasionou no período sem os materiais. De acordo com a assessoria, a empresa vencedora da licitação deve fornecer o aparelho automatizado e bem como os kits para a realização dos exames. É necessário também promover o treinamento técnico dos funcionários e fazer a readequação do serviço. “Tinha uma quantidade de material, mas que precisava ser usado. A licitação é por registro de preços e a contratada fornece o aparelho e os kits, então não dá para estocar, não tem como comprar por fora e não podemos ter dois contratos vigentes”, explica o órgão. “Por lei não poderia ter sido feito outro contrato do mesmo serviço enquanto a ata anterior estava em vigor.”


Fonte:


Notícias relevantes: