Indaiatuba

Atividades do Acessa SP está temporariamente suspensas

Alô! Alô? Mais uma vez o Almanaque dá dicas de bom uso do telefone, tanto para quem liga como para quem recebe uma ligação. *Quem? – Jamais ligue para alguém e pergunte “quem”. Se quiser saber quem fala, pergunte se ligou para o número (diga) tal. O “quem?” é medonho, uma grosseria. *Quem atende, se preferir, por precaução, não dizer o número, responda com uma pergunta: “Para onde você ligou?”. *Essa precaução nem é bem por segurança: é para evitar o telemarketing (que parece vir bem na hora em que você está com a panela no fogo ou tomando banho). *Quando ligar peça para falar com a pessoa. Se for ela, diga seu nome todo, ou dê alguma referência (tipo, a Silvia, da Tribuna). A não ser que você fale constantemente com a pessoa. *Por isso é ruim quando alguém liga e vai falando com quem atende sem se identificar primeiro. Se os telefonemas não forem frequentes a pessoa vai tentar imaginar com quem está falando. *Tem gente que atende o telefone com raiva do mundo: Alô! Mesmo que tenha interrompido algo importante, atenda com elegância. *Use o Nextel como celular, pois ninguém é obrigado a ficar sabendo de sua vida. *Se estiver na casa (ou escritório) de alguém e o telefone dele tocar, procure dar privacidade à pessoa. Se puder, saia do ambiente. *O oposto também vale. Se seu celular tocar, peça licença e atenda um pouco mais adiante. *No cinema (alô, Lui Cinematográfica), nem deixe em vibracall. Se foi ao cinema é para ver o filme. Desligue mesmo. *Desligue quando entrar na consulta médica ou de advogado. Na sala de espera até pode, mas evite. *Não fique fazendo o ônibus ou avião de escritório. Os passageiros ao lado não têm obrigação de saber de seus negócios. *Um toque de celular engraçado chama atenção. Nos jovens, é bem legal. Nos coroas, a coisa é diferente.


Fonte:


Notícias relevantes: