Indaiatuba

Presidente e líder da Oposição divergem acerca dos trabalhos

Para o presidente da Casa, estes números não resumem o trabalho do vereador. "Costumo dizer que uma sociedade evoluída não precisa de leis, é uma questão cultural", afirma Cebolinha. "Mas o trabalho do vereador vai além do Plenário e cabe ao eleitor saber se o seu vereador participa de audiências públicas e fiscaliza o trabalho do Executivo".

Cebolinha comentou ainda o número de Requerimentos. "Para que tantos? A oposição apresentou muitos e não aconteceu nada, todos foram respondidos. É como se estivesse me dando um atestado de honestidade", destaca. Com relação ao grande número de requerimentos e moções, o presidente é direto. "Existe um excesso, mas não tenho meios legais para coibir os vereadores", explica. "Irei pedir que diminuam", garante.

Para Linho, líder do bloco de Oposição da Casa, o trabalho em 2015 não foi satisfatório. "A oposição foi quem mais apresentou projetos, mas temos um problema sério: a Câmara não possui Procuradoria Jurídica e os vereadores que apresentam propostas de interesse são barrados pela Assessoria Jurídica do presidente, e isso não é de sua competência", indica. "Não conseguimos ir além do trivial".

Sobre o número de moções, Linho é enfático. "Isso depõe contra a Câmara. Este é um instrumento para repudiar ou congratular, mas é usado em caráter particular", aponta. "Sobre as indicações, nem costumo utilizar. É ineficaz e 95% sequer são respondidas ou atendidas. É preciso qualificar o debate no Parlamento".

O líder da Oposição falou ainda sobre os Requerimentos. "Fui o que mais apresentou, pois é um instrumento valioso. E o retorno foi bom. A maior parte tem sido respondida e estas informações servem para auxiliar o trabalho parlamentar", conclui.


Fonte:


Notícias relevantes: