Indaiatuba

Distribuidoras ajudam a conscientizar população

Para combater o mosquito Aedes aegypti, as distribuidoras do país colaboram com campanhas. Em algumas cidades, os funcionários do Correios e da CPFL podem notificar a Secretaria de Saúde quando localiza residências com criadouro do mosquito. Em Indaiatuba, esta prática ainda não é feita.

A CPFL, em junção com a Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica (Abradee), apoia a campanha do governo federal contra a proliferação do mosquito. Todas as oito distribuidoras da CPFL estarão envolvidas em ações de divulgação e mobilização. Por enquanto, a campanha conta com inserção de mensagem no anúncio da conta de luz. "Já a ação com leituristas está sendo articulada e estrutura pela Abradee, em contato com o Ministério da Saúde, que definirá o mecanismo da ação, desde como os leituristas serão treinados, qual será o código, para qual entidade será enviado o código, até se haverá disponibilização, por parte do Governo, de materiais promocionais impressos para divulgação", informou a CPFL por meio de sua assessoria de imprensa.

Já o Correios informou que os carteiros distribuirão panfletos educativos. "Eventualmente, algum empregado até poderá por iniciativa, de forma voluntária e como cidadão, fazer a comunicação a Secretaria da Saúde. Pois, não está nas suas atribuições formais", acrescenta a assessoria de imprensa do Correios. Ainda em combate ao mosquito, o ministro da Saúde, Marcelo Castro, e a secretária de Saúde dos Estados Unidos, Sylvia Burbell, conversaram por teleconferência na tarde de terça-feira, dia 2. Na conversa, Castro e Burbell acertaram que vão buscar cooperação para o desenvolvimento de pesquisas para diagnósticos, vacina e tratamento contra o vírus Zika. Além disso, se comprometeram em acelerar as investigações em curso sobre as infecções causadas pelo vírus, relacionados aos casos de microcefalia e de guillain-barré.

O Ministério da Saúde também abriu novo canal para auxiliar no combate ao mosquito. O atendimento será por meio de telefone 0800 e servirá para orientar os agentes de endemia, os agentes comunitários e os militares nas atividades de eliminação dos focos. Pelo telefone, são reforçadas as orientações sobre a utilização de serviços de saúde para o atendimento aos casos suspeitos e demais orientações para população sobre diagnóstico e tratamento das doenças causadas pelo mosquito e a microcefalia, além de outras dúvidas clínicas.

O esclarecimento pelo 0800-644-6543 ocorrerá de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h30, pela central TelessaúdeRS, que integra o Programa Telessaúde Brasil Redes do Ministério da Saúde.


Fonte:


Notícias relevantes: