Indaiatuba

Bairro pode ganhar feira livre noturna

Indaiatuba poderá contar com feira livre noturna no Jardim Morada do Sol.

A proposta de atender consumidores que trabalham durante o dia e ainda reforçar o faturamento dos feirantes foi apresentada pelo vereador Gervasio Aparecido da Silva (PTB) na primeira sessão de Câmara do ano, na semana passada.

O feirante Ricardo Guerra herdou a barraca do pai há 15 anos e diz que concordaria em fazer um teste no comércio noturno. "Os clientes não têm muito tempo de vir durante o dia e, além disso, com este calor fica até mais fácil manter a qualidade dos alimentos à noite", opina.

De qualquer modo, eles não pensam em desistir da ideia. "Em breve, eu e outros feirantes vamos recolher assinaturas da população para tentarmos novamente implantar o comércio ao ar livre noturno", destaca Marcos.

O espaço em frente ao posto da Guarda Civil, no Jardim Morada do Sol, chegou a ser sugerido para abrigar o comércio noturno de frutas e legumes. Entretanto, o projeto foi barrado pelo Departamento de Fiscalização de Taxas e Posturas, conforme aponta o feirante Marcos Basílio. "Há cerca de um mês nós fomos até a Prefeitura, mas fomos informados de que não seria possível realizar a feira ali durante a noite, pois não tem como fazer o descarte adequado do peixe".

Ele e as colegas feirantes, Helena Rodrigues e Daniela Zaneti, acreditam que a feira no horário noturno seria uma vantagem, pois iria atrair muitos fregueses que não podem fazer as compras durante o dia. "Se conseguíssemos montar a feira ali no Morada do Sol, seria melhor, pois o movimento lá é bem melhor", considera Helena.

Sobre a questão do descarte de peixes, Gervasio rebate dizendo que este não é o único produto vendido na feira. "É preciso considerar os diversos outros produtos, pois uma feira não é feita só com peixes", ironiza o vereador.

Contraponto
Gervasio disse que terminou de recolher as assinaturas dos feirantes na última quinta-feira e, no início da próxima semana irá protocolar o pedido junto à Prefeitura.

O diretor do Departamento de Fiscalização de Taxas e Posturas, José Carlos de Melo, por sua vez, informou, via assessoria, desconhecer a solicitação de feira noturna da parte dos feirantes. Ele também ressaltou que, somente após a efetivação do protocolo dos interessados é que será feita a análise de viabilidade para a liberação de novas feiras livres, sejam noturnas ou diurnas.

Pontos de vista

A Tribuna foi às ruas para saber a opinião de alguns populares sobre o tema. "Acho uma boa ideia, pois a maioria trabalha e não tem tempo", argumenta a vendedora Juliana de Paula. Já a dona de casa Selma Aparecida Dionísio, fala que costuma comprar frutas e legumes nos supermercados. "Nos mercados os produtos estão mais fresquinhos, porque ficam longe do sol quente".

O autônomo Lourival Gonçalves Lopes, do Jardim Morada do Sol, acredita que não há a necessidade de uma feira noturna no bairro. "O pessoal do Campo Bonito precisa mais do que nós, já que aqui tem várias em dias alternados da semana", replica. "Não acho que teria muito movimento aqui à noite. Além disso, com a feira no Campo Bonito, a população do Colibris e do Jardim Paulista também sairia ganhando", conclui Lourival.

Para o Campo Bonito, Gervasio revela que já propôs a implantação de feiras livres lá. "Pelo menos, duas vezes por semana, já que uma só não atende à demanda", aponta. Ele também garante que está recolhendo assinaturas de feirantes interessados em atuar no residencial.

(Adriana Brummer Lourencini)


Fonte:


Notícias relevantes: