Indaiatuba

CCZ faz chipagem de animais para adoção

Os animais recolhidos pelo Centro de Reabilitação Animal e Zoonoses (CCZ) de Indaiatuba recebem agora um chip antes de serem encaminhados para adoção. A tecnologia visa acompanhar o animal em seu novo lar e saber quem é o seu dono, o que possibilita também uma ação jurídica em caso de maus-tratos. A Tribuna esteve no CCZ para conversar com Adriano Mayoral, veterinário responsável, e conhecer melhor os habitantes desse lar provisório.

"Nós só recolhemos animais de rua em estado grave, doentes ou machucados. Não trazemos para cá os que estão saudáveis ou possuem donos", esclarece Adriano. "Inclusive, o dono do cão ou gato é o responsável por seu cuidado e bem-estar", enfatiza.

A linha de trabalho do CCZ é retirar animais das ruas que tenham sido vítimas de espancamentos, atropelamentos, ou que estejam com doenças graves terminais. "Aqui não é depósito para estocarmos animais", garante José Carlos Selone, secretário do Meio Ambiente. "Nossa causa é o animal e não estamos contra ele, como muitos pensam. Nós ampliamos o centro e o número de castrações, assim como aumentamos os funcionários, tudo para reabilitarmos os que chegam e os reinserirmos na sociedade", explica.

O secretário acrescenta que as portas do CCZ foram abertas para os protetores individuais para que estes pudessem se tornar parceiros na causa animal. "Eles têm acesso livre aqui e cooperam conosco na função de identificação e resgate de animais em situação de risco", diz Selone.

Castrações

Segundo Adriano Mayoral, que também é diretor do Meio Ambiente, as castrações no CCZ são gratuitas para toda a população de Indaiatuba. "A pessoa pode vir pessoalmente e preencher o cadastro; daí, fazemos o agendamento e, em seguida, ligamos para marcar a data", explica. Quanto à vacinação, Adriano alerta que é responsabilidade do proprietário do animal, e que o Centro não dispõe do serviço de imunologia veterinária.

Chipagem

Todos os animais recolhidos e tratados no CCZ são encaminhados para adoção. "Nós divulgamos as adoções por meio de nossa página no Facebook: Ccz Indaiatuba. Antes de levar o animal, o interessado preenche uma ficha, e fazemos uma triagem para conhecer melhor o perfil do adotante: tipo de rotina, se o animal ficará muito tempo sozinho, se terá espaço etc.", aponta Adriano. "O animal escolhido, então, é castrado e recebe o chip de identificação".

A chipagem, inclusive, auxilia no acompanhamento da adoção. "Por meio do chip podemos saber para onde o animal foi levado e quem é o proprietário. Caso haja maus-tratos, será possível acionarmos o 'irresponsável' juridicamente", afirma Selone.

Histórias do CCZ

O veterinário Adriano lembra que o tempo de permanência dos animais no Centro deve ser curto. "Eles ficam aqui até encontrarem um novo lar, que é o ideal para qualquer criatura, afinal, ninguém merece viver preso. Já vi muitos morrerem de depressão só por ficarem aqui, pois estavam acostumados à liberdade, mesmo nas ruas", lamenta.

Adriano está à frente do CCZ desde sua fundação, em abril de 2009, e se lembra de histórias ocorridas ali, inclusive as tristes. "Uma delas, que me marcou muito, aconteceu há um ano: uma cadela foi amarrada à linha do trem, tendo as duas patas traseiras decepadas. Ela chegou aqui com vida, mas não resistiu aos ferimentos. Antes disso, o animal sangrou e agonizou por uns 40 minutos até sermos notificados. Fiquei impressionado ao ver aonde chega a maldade humana", reflete.

Para quem desejar conhecer melhor o CCZ e seus habitantes caninos e felinos, Adriano reitera o convite, dizendo que as portas do Centro estão abertas, de segunda a sexta-feira, das 8h às 16h, e aos sábados, das 8h às 12h. O endereço é Rua Safira, 120, Recreio Campestre Joia. Mais informações pelo telefone (19) 3936-2782 ou pelo e-mail [email protected] 


Fonte:


Notícias relevantes: