Indaiatuba

Campo Bonito: muito barulho e pouca ação

No mês passado, a polêmica nas redes sociais sobre os supostos casos de abandono de animais pelos mutuários do Campo Bonito deu o que falar. Em diversas postagens, era incontável o número de bichos deixados para trás em seus antigos lares. Segundo Adriano Mayoral, a realidade está distante disso. "Resgatamos, ao todo, 15 animais que foram abandonados", revela.

O secretário Selone faz uma crítica severa às inverdades publicadas e destaca as ações realizadas pelo Compda junto aos mutuários. "O Campo Bonito possui 2 mil apartamentos e quase mil casas, e se tivemos menos de 20 casos de abandono, significa que o trabalho do Conselho surtiu efeito. É bom lembrar também que as casas do bairro ainda não possuem muros e nem todos os animais que estão nas ruas foram abandonados. Temos de desfazer a impressão (injusta) de que o pessoal do Campo Bonito não gosta de animais", salienta o secretário.

Beggo, por sua vez, rebate: "Rede social dá voz para ignorantes. Quem mais critica é aquele que fica sentado diante do computador e não faz nada". O líder do Compda avalia também que este tipo de evento é negativo e descaracteriza a proteção animal. "O foco principal, que é defender os animais, foi deixado de lado por causa do ego das pessoas. Vi muita gente que estava disposta a ajudar, mas se afastou por causa de falsos protetores que pensam apenas em si", opina.

A protetora animal e membro do conselho, Elaine Katayama, acompanhou pessoalmente os casos e atesta que houve mais barulho do que ação. "As pessoas falaram daquilo que não sabiam; vários donos de animais vinham até sua casa antiga só para cuidar dos bichos até encontrarem um novo lar para eles; conheci uma pessoa, inclusive, que está pagando aluguel do imóvel apenas para poder manter o cachorro lá", revela.

Denúncias

Só em janeiro, a Associação Protetora dos Animais de Indaiatuba (Aprai) registrou 35 denúncias de maus-tratos aos animais, principalmente casos de espancamentos. Os conselheiros orientam que as notificações sobre abandono, espancamento, negligência e outros, devem ser feitas diretamente na Aprai. "É muito importante reunir provas, como fotos e vídeo, e fornecer informações precisas, para providenciar o Boletim de Ocorrência (BO) e notificar o responsável", assevera Elaine.


Fonte:


Notícias relevantes: