Indaiatuba

Sindicatos não chegam a acordo com Administração

ACORDO

Em uma semana de negociações com a Secretaria Municipal de Administração, Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Indaiatuba (SSPMI) e Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp) não chegaram a consenso sobre os valores da data-base. As duas entidades de classe se reuniriam com seus servidores para definir os próximos passos.

“Nos reunimos na quinta e recebemos uma proposta que não nos agradou. Então voltamos a nos encontrar hoje (ontem) e apresentamos uma contraproposta”, afirma a presidente do Sindicato dos Servidores, Jaciara Lages Dutra. “Mas ainda não queremos comentar o que foi discutido. Faremos uma assembleia amanhã (hoje) para definirmos os detalhes com a categoria”.

A assembleia acontece hoje, dia 12, a partir das 13h, na Sede do Sindicato dos Metalúrgicos, que fica na Rua Olímpio Pinto da Cunha, 201, Jardim Morada do Sol. Contudo, Jaciara parece confiante em chegar a um consenso. “A última proposta que recebemos não chega a ser o que pedimos, mas foi além da primeira que a Administração ofereceu”, aponta. “Por isso, após esta mudança de atitude, creio que é possível chegarmos a um consenso”.

Entre as reivindicações do Sindicato estão 14% de reajuste salarial, aumento para R$ 310 no cartão-cesta e mudanças em pontos dos planos de Promoção e Progressão. A pauta foi oficialmente veiculada em 17 de janeiro.

Professores

A negociação com os professores está mais complicada. “Nos reunimos na quinta-feira com o Núncio [Lobo Costa, secretário municipal de Administração], Samir [Maurício de Andrade, secretário geral do município] e a Rita [de Cassia Trasferetti, secretário municipal de Educação], mas não chegamos a um consenso”, destaca Eliana Antônio, coordenadora municipal da Apeoesp.

Entre os itens da pauta estão o vale-alimentação para todos os profissionais da Educação, a implantação da ajuda de custo para deslocamento de professores DOC I (substitutos) e um aumento salarial de 33,48%, valor que observaria 11,28% para reposição da inflação, mais 22,2% que contemplam a Meta 17 do Plano Nacional de Educação.

“Não houve avanço em nenhum dos itens, mas nos foi oferecido 11% de aumento”, afirma Eliana. Este valor serviria apenas para reposição da inflação. “Mas também não é oficial, então estamos aguardando”.

Os professores se reuniram em Assembleia na tarde de ontem, mas a reunião não havia terminado até o fechamento desta edição.

Por meio de sua Assessoria de Comunicação Social, a Prefeitura Municipal informa que, após a série de conversações e debates realizados, na próxima segunda-feira a Secretaria Municipal de Administração irá elaborar um documento com as medidas finais para apreciação e aprovação do prefeito Reinaldo Nogueira (PMDB).


Fonte:


Notícias relevantes: