Indaiatuba

Simulador tem aceitação nas autoescolas

SIMULADOR

Há quase seis meses da obrigatoriedade das aulas no simulador veicular, seis autoescolas do município já contam com o novo equipamento. A tecnologia reproduz o ambiente das ruas, e possibilita aos alunos vivenciarem o contexto do trânsito como se estivessem em um veículo real.

"A aceitação foi bem tranquila, embora quem já tenha a prática de direção não goste muito", conta Alexandre Coutinho, instrutor do Centro de Formação de Condutores (CFC-Educatran), no Jardim Morada do Sol. Ele revela que, no início, também pensava que o equipamento era supérfluo, um gasto desnecessário, mas, depois da regulamentação e prática durante as aulas, percebeu a importância do simulador na formação de novos condutores. "O aluno tem a sensação de estar trafegando em um veículo de verdade", reforça.

Alexandre emenda dizendo que os alunos mais experientes têm maior resistência em realizar aulas no equipamento. "Eles acham que não precisa, mas temos de cumprir a lei, que determina o cumprimento de cinco horas/aula no simulador. Além disso, as pessoas devem entender que existem regras que precisam ser cumpridas", pontua. "Certa vez, um aluno veio fazer aula utilizando chinelos e eu chamei sua atenção. Perguntei se ele usava este tipo de calçado quando dirigia um carro e o aluno respondeu que não. Portanto, ali no simulador o item também é proibido", alerta.

O instrutor comenta também que existe uma parceria entre a CFC Educatran e as autoescolas que não possuem o simulador veicular. "Para quem não pode comprar o equipamento, que hoje tem o custo superior a R$ 30 mil, há a possibilidade de adquirir em comodato, ou seja, é pago um valor semanal pelo uso, que fica em torno de R$ 1,3 mil. As autoescolas que não possuem a tecnologia enviam seus alunos para fazerem as aulas no simulador aqui com a gente", aponta Alexandre.

A tecnologia

O design dos simuladores foi projetado para que os alunos tenham a sensação de estarem no interior de um veículo; por isso, seus instrumentos são idênticos a de um carro de verdade.

Segundo um dos fabricantes do equipamento, entre os itens presentes no simulador estão o volante, painel de instrumentação funcional, câmbio com movimentos reais, freios de pedal e manual, chaves direcional e alertas, retrovisores, portas completas, acelerador, embreagem, chave limpador de para-brisas, banco, cinto de segurança etc.
Além disso, o simulador oferece cenários que trazem para as aulas o ambiente do trânsito, tais como situações de condução perigosas, incomuns e imprevisíveis. Os alunos aprendem a reconhecer essas situações e em como lidar com elas antes de assumir a direção real.

O fabricante destaca ainda a vantagem do simulador na proteção do meio ambiente, já que o equipamento não emite poluentes na atmosfera.


Fonte:


Notícias relevantes: