Indaiatuba

Fotos no celular é que levaram à descoberta

Nesse mesmo dia, enquanto dirigia, Karina resolveu conversar com a filha sobre o uso do celular e as fotos que tinham nele. Parou o carro e comentou com Júlia que tinha visto umas fotos que ela não tinha gostado e explicou que mesmo quando a foto é apagada do celular, ela vai para a lixeira. "Eu vi uma foto que não gostei. Não gostei do jeito que você tirou foto do cachorro. Esse tipo de foto é feia minha filha. Não pode". No mesmo momento, Júlia pediu desculpas e disse que não iria repetir.

Ainda achando toda a situação estranha, Karina questionou a menina se havia algo que ela deveria saber. "Não posso contar mamãe, é um segredo. O vovô pediu segredo e se eu contar ele vai ficar sabendo".

A situação ficou tensa. Foi nesse momento que ela percebeu que, de fato, algo estava muito errado e que não necessariamente as desconfianças eram mentiras. "Olha, a mamãe é sua amiga. Ela sempre vai estar ao seu lado. O segredo que você não pode contar para a mamãe não deve ser bom. Como eu posso te ajudar se eu não sei o que está acontecendo?", falou Karina como uma forma de convencer a filha a contar.

A história

Com a insistência da mãe, Júlia contou toda a verdade. "Ao ouvir aquelas palavras da boca de minha filha eu não sei como consegui falar, eu não sabia o que pensar naquele momento e eu não sei onde arrumei forças para dirigir o carro novamente. Tudo foi muito dolorido e ainda é".

Júlia havia relatado exatamente tudo o que seu avô havia feito com ela. "Ela disse que ele colocava as mãos no órgão genital dela e que pedia para ela colocar no órgão dele. Ela contou que teve um dia que ele colocou a boca no órgão genital dela e que ela não fez o mesmo porque sentiu nojo", relata a mãe. "Mamãe, o vovô falou que tudo isso era normal e que tinha sempre alguém da família que ensinava a gente fazer essas coisas".

Naquele momento, depois de contar tudo, a grande preocupação de Júlia era a de que sua mãe não brigasse com o avô.


Fonte:


Notícias relevantes: