Indaiatuba

Moradora aponta falta de acessibilidade na passarela próximo ao pedágio de bloqueio

Passarela

Nesta semana a reportagem visitou a passarela que fica na Rodovia SP-75, de frente ao Complexo Viário Benedicto Amstalden, e dá acesso aos bairros Helvetia e Jardim Brasil, e foi acompanhada por uma moradora do Helvetia. A dona de casa Jania Vonah, de 40 anos, mostrou à Reportagem a falta de acessibilidade da passarela, os perigos que estão em torno da obra, a falta de calçada na região e outros problemas no local.

Jania contou que os moradores do Helvetia e Jardim Brasil usam a passarela com frequência para pegar o ônibus que vai a Campinas e também é usada por trabalhadores dos Correios, que tem seu centro de distribuição no local. O primeiro problema apontado por ela foi a falta de iluminação no início da passarela, de frente ao Complexo Viário Benedicto Amstalden. “Essa iluminação não funciona, falo isso com propriedade porque passo por aqui todos os dias. Já aconteceram assaltos aqui. Só fica iluminado no lado da passarela onde está o Correios”, conta.

Outra falha observada pela moradora foi a falta de acessibilidade, tanto para deficientes, quanto para idosos. “Não tem degrau para subir na passarela, quando chove fica uma lama e é perigoso escorregar. Aqui no início tem ferros para impedir a passagem de motos, mas um cadeirante, uma senhora com carrinho de bebê, com muleta, não passam aqui. Fizeram uma passarela que não serve para todos”.

A moradora também mostrou que em uma das pontas da passarela foi deixado um hidrômetro e não terminaram a obra para a passagem de pedestre. O local fica de frente ao pedágio de bloqueio. “Tem um hidrômetro e um bueiro bem na passagem de pedestre. Você tem que pular ele para seguir pelo caminho que é destinado a pedestre. Se existe esta calçada com uma placa escrito que a passagem é somente para pedestre então é para usar, mas tem parafusos no meio do caminho”, prossegue. “Estamos fazendo o caminho que todo pedestre faz, é preciso pular mais um bueiro, desviar da placa, do cano, da ponta de ferro no meio do caminho, se tenho perna mecânica, uso bengala ou estou com carrinho de bebê não posso andar aqui. E ao chegar ao final do pedágio, tem um cone de concreto e pedestre tem que passar onde é lugar das motos. Depois, não tem passagem para pedestre e o perigo só aumenta porque aqui passam crianças e idosos”, relata.

Riscos

No local, os pedestres dividem espaço com 12.500 veículos, que é o Volume Diário Médio da SP-75, no trecho em que fica localizado o pedágio de bloqueio, apontado pela Concessionária AB colinas. A grande maioria dos veículos que passa pelo pedágio de bloqueio é licenciada em Indaiatuba e, por isso, não paga tarifa de pedágio.

A Tribuna cobrou a Secretaria de Obras e Vias Públicas (Semop) e a concessionária AB Colinas sobre todos os problemas apontados no local, pela moradora. A Secretaria respondeu que a passarela e o entorno dela são responsabilidade da Concessionária AB Colinas.


Fonte:


Notícias relevantes: