Indaiatuba

Cidade chega a quase 500 casos de dengue

SAÚDE

Apesar de haver menos registros de dengue na cidade do que no ano passado, o índice de casos ainda preocupa a Secretaria Municipal de Saúde. Somente em 2016, foram confirmados 488 casos da doença.

Os trabalhos executados pela Vigilância Epidemiológica continuaram em menor intensidade, já que no período do inverno, a população do mosquito diminui. Entretanto, a Pasta lembra que não pode haver descuido. Todos devem colaborar com a limpeza da cidade e cuidar da manutenção dos quintais, que abrigam 80% dos criadouros. A Vigilância orienta ainda a não descartar lixo nas ruas e em terrenos baldios.

De acordo com a Saúde, via assessoria de comunicação, desde julho os agentes atuam nas áreas consideradas de menor incidência e nos bairros mais afastados do perímetro urbano. Aos sábados, os agentes promovem atividades de intensificação da Resolução SS-64, de julho deste ano, que prorroga o Programa de Incentivo aos Municípios para a campanha Todos juntos contra o Aedes aegypti. O trabalho consiste na vistoria de imóveis, eliminação de criadouros e redução de pendências, com o objetivo de inibir a infestação do mosquito, que também é transmissor da chikungunya e do zika vírus.

O Jardim Morada do Sol é o bairro de maior incidência, por causa do grande número de residências; em setembro, 6.301 imóveis foram vistoriados e 530 criadouros removidos. Nos próximos três meses, os trabalhos nos finais de semana irão continuar, com a média de 66 profissionais por sábado.

Ainda em outubro, a Secretaria irá iniciar os planos para o enfrentamento ao mosquito transmissor durante o final de 2016 e o ano de 2017. O cronograma com datas e locais das ações será divulgado posteriormente.

Dados

Devido à preocupação gerada pelo grande número de casos de zika no País, a própria sociedade tomou medidas preventivas, porém, ainda se pode ver grandes volumes de lixo e resíduos em vários pontos da cidade, especialmente em terrenos baldios e nos quintais.

Até o momento, houve no município o registro de 471 casos autóctones de dengue; somados aos 17 casos importados, os números totalizam 488 confirmados. Em relação ao zika vírus, das cinco notificações feitas por gestantes, apenas uma foi confirmada. A gestante perdeu o bebê. Já os casos de chikungunya tiveram seis notificações, sendo uma importada não residente, três descartadas e dois que aguardam resultados.

Apesar da preocupação sobre o saldo da dengue, os casos no município já foram maiores. Em 2015, foram confirmados 1.715 casos da doença; e em meados de outubro do ano passado já havia 1.329 autóctones e um óbito. De acordo com a Secretaria, os meses com maior incidência foram março, com 546 casos autóctones; abril, com 563 e maio, com 421.

Influenza H1N1

Ao contrário das doenças transmitidas pelo Aedes aegypti, o vírus da gripe H1N1 não evoluiu em Indaiatuba. Os últimos dados foram fornecidos pela Prefeitura no final do primeiro semestre e, desde então permanecem os mesmos.

A cidade teve 14 casos confirmados (não internados) de H1N1, além de seis óbitos - três homens e três mulheres. Ao final da na campanha nacional de vacinação contra a gripe, realizada em maio, quase 50 mil pessoas foram imunizadas, entre idosos, crianças e pessoas com comorbidades.

Multivacinação

A Saúde municipal divulgou também que, até o momento, a campanha nacional de multivacinação já imunizou 1.325 crianças e adolescentes em Indaiatuba. Amanhã e quinta-feira, entre 8h e 16h, haverá um esquema especial de vacinação no Parque Campo Bonito. Segundo a Secretaria, como o bairro não conta ainda com uma unidade de saúde, os profissionais estarão aplicando as doses da vacina na Escola Municipal de Ensino Básico (EMEB) local. A campanha de multivacinação segue até o dia 30 de setembro.


Fonte:


Notícias relevantes: