Indaiatuba

Economia do horário de verão abasteceria Indaiatuba por 11 dias

HORÁRIO DE VERÃO

Começa esta madrugada o horário brasileiro de verão de 2016. À meia-noite, é preciso adiantar em uma hora, passando os ponteiros para 1h.

O horário segue até o dia 19 de fevereiro de 2017 e, segundo a CPFL Piratininga, concessionária responsável pelo fornecimento de energia em Indaiatuba e cidades da região, o período representa uma economia de 0,48% no consumo de energia elétrica.

No caso de Indaiatuba, a economia prevista para esta edição do horário de verão no município será suficiente para abastecimento energético durante 11 dias.

O principal objetivo da medida é melhorar o aproveitamento da luz natural, já que, com os dias mais longos, é possível reduzir o consumo de energia elétrica e diminuir a demanda no horário de pico do consumo, das 18h às 21h. Isso gera uma redução nos custos da operação do sistema elétrico para todos os consumidores (menos térmicas são ligadas) e consequente economia na conta de luz.

O novo horário de verão vale nos dez estados das regiões Sul, Sudeste, Centro-Oeste e Distrito Federal.

A concessionária prevê uma redução de 2% na demanda de energia entre os meses de outubro e fevereiro de 2017, o que equivale a 25.736 MWh - volume suficiente para atender a uma cidade do porte de Santos por sete dias.

Brasil

O horário de verão foi implantado pela primeira vez no Brasil em 1931, porém, de forma consecutiva, a medida ocorre há 28 anos e está em sua 43ª edição. Os estados que adotam o horário diferenciado são: Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e no Distrito Federal.

Segundo o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), a redução da demanda máxima de energia no horário de pico (entre 18h e 21h) deverá ser 3,7% nas regiões Sudeste e Centro-Oeste e de 4,8% no Sul com a mudança de horário. A economia deverá ser de R$ 147,5 milhões, por causa da redução do uso de energia de termelétricas.


Fonte:


Notícias relevantes: