Indaiatuba

Sírio Libanês forma profissionais do SUS em pós-graduação

SAÚDE

O Instituto Sírio Libanês formou na terça-feira 40 profissionais ligados ao Sistema Único de Saúde (SUS) de Indaiatuba e Jaguariúna. A cerimônia de encerramento do curso aconteceu no Museu da Água de Indaiatuba.

Os alunos se pós-graduaram em Gestão da Clínica e Qualidade e Segurança para o paciente, graças à iniciativa do Ministério da Saúde em parceria com o Instituto de Ensino e Pesquisa do Hospital Sírio Libanês, Secretaria de Saúde de Indaiatuba e Secretaria de Saúde de Jaguariúna e Faculdade Max Planck.

Dos formados, 20 receberam o título de especialista em Gestão da Clínica e a outra metade se formou em especialista em Qualidade e Segurança para o paciente.

O curso contou com o apoio do Conselho Nacional de Secretários da Saúde, do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária.

Os projetos educacionais são executados pelo Instituto Sírio Libanês de Ensino e Pesquisa - IEP/HSL e definidos a partir de necessidades identificadas pelos gestores do SUS.

Faculdade Medicina

O Instituto Sírio Libanês fechou uma parceria com a Faculdade Max Planck e Faculdade de Jaguariúna para a implantação do curso de Medicina em Indaiatuba, o que gerou benefícios também à cidade, por meio do Hospital Augusto de Oliveira Camargo (Haoc), que teria reflexos dessa união. 

A faculdade foi anunciada em 2014, mas até o momento não saiu do papel. Em setembro deste ano, o Ministério da Educação e Cultura (MEC) divulgou a lista de mantenedoras de ensino, em 37 municípios, autorizadas a abrir novos cursos de Medicina no Brasil, o que não incluía Indaiatuba, que está no segundo edital, esperando resultado. 

O edital de 2014 foi desmembrado e a divulgação é programada para ser feita em duas etapas. No final do ano passado, o MEC veio a Indaiatuba a fim de verificar estrutura, logística, hotelaria etc. Acompanhados de Luiz Medeiros, então presidente do Conselho Municipal de Saúde (CMS), fizeram uma diligência pela cidade. Era a segunda avaliação do MEC (a primeira foi em abril de 2014), e já neste período, a ampliação do Hospital Augusto de Oliveira Camargo (Haoc) estava em andamento, com vistas a aumentar o número de leitos para 174, e consequentemente, estender as chances de conseguir trazer o curso para cá.

A assessoria de comunicação da Secretaria Municipal de Saúde informou que, enquanto isso, segue com as ações de complemento aos requisitos exigidos pelo MEC. Entre elas, há a ampliação do número de leitos e o projeto pedagógico feito em parceria com o Hospital Sírio-Libanês e a Faculdade Max Planck, assinado no final de setembro de 2015. Caso a cidade seja contemplada, o curso será ministrado em conjunto com o Haoc, que irá atuar como hospital-escola.


Fonte:


Notícias relevantes: