Indaiatuba

Tempestades de verão exigem atenção, segundo Defesa Civil

O coordenador da Defesa Civil do município, Paulo César Feijão, orienta para alguns cuidados básicos nesta época do ano, quando ocorrem as tempestades de verão. "Nas tempestades de verão é comum acontecer descarga elétrica, raios, e rajadas de ventos. Se a pessoa estiver na rua, ela deve se abrigar em algum lugar, como em uma construção de alvenaria, barracão ou casas, nunca embaixo de árvores. Se a pessoa estiver em um lugar aberto, sem uma construção por perto, ela deve ficar na posição de cócoras (agachado) e abraçar os joelhos, isso evita ser atingido por uma descarga elétrica. Na praia também é importante seguir estas instruções", ensina.

"Não tente atravessar enxurradas, porque 30 centímetros de água são suficientes para derrubar uma pessoa, e 50 centímetros são suficientes para dar flutuabilidade ao veiculo. Não tente a sorte, porque pode ter uma boca de lobo aberta e a pessoa cair. Sempre tenha bom senso", ressalta o coordenador.

Feijão também enfatiza que os aparelhos eletrônicos podem ocasionar acidentes durante as tempestades. "Sempre reforço para que as pessoas não tomem banho durante as tempestades, não usem o celular conectado no carregador e telefone de fio, porque se o raio cair no poste ele vai ser conduzido e pode descarregar na pessoa que está debaixo do chuveiro, no telefone ou celular. Também se deve retirar os aparelhos da tomada, para evitar que queimem".Caso ocorram tempestades e a população precise de ajuda da Defesa Civil, que estará de plantão neste final de semana, o telefone de emergência é o 153.

Raios

Segundo o Grupo de Eletricidade Atmosférica do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Elat), em entrevista a Agência Brasil, o ano de 2016 teve menos mortes por raios do que a média dos últimos 20 anos. O número de vítimas deve ficar abaixo dos 70 casos neste ano.

Entre 2000 a 2014 morreram, em média, 111 pessoas por ano devido à queda de raios, totalizando 1.792 mortes. Em 2015 foram registrados 104 mortes. As ocorrências entre trabalhadores agropecuários lideram o número de vítimas, com 25% dos casos. Em seguida, vêm as mortes ocorridas dentro de casa, que representam 17% dos registros.

Segundo o Elat, os acidentes ocorridos dentro das residências são casos em que os raios atingem as redes elétricas e levam o excesso de energia para dentro das casas. O Sudeste é a região com maior número de mortes, responsável por 28% do total. As outras quatro regiões têm o mesmo percentual de vítimas, 18%.


Fonte:


Notícias relevantes: