Indaiatuba

Pastora arrecada produtos para famílias bolivianas

A pastora e missionária Cleide Gamenha Domiciano, junto com quatro missionários e com o apoio da igreja Missionária Canaã, parte no dia 25 de janeiro à Bolívia, aonde irão levar produtos de higiene bucal às crianças, adolescentes e adultos que vivem em extrema pobreza, nas cidades Totora Pampa e Potosi, na Bolívia. Para atender a todas as pessoas das duas cidades, Cleide está arrecadando produtos de higiene bucal em Indaiatuba.

Além das escovas e cremes dentais, Cleide conta que os missionários levam demais produtos. "Estamos necessitando de kits bucais contendo pasta e creme dental, e alguns remédios para febre e pomadas para machucados. Já temos cerca seis toneladas de roupas e brinquedos, por isso estamos focados na arrecadação de produtos de higiene bucal, pois essas pessoas trocam de escova somente quando vamos lá e quando acabam as pastas, eles não escovam os dentes porque não tem recurso onde moram, que são campos distantes", explica Cleide.

Doações

As pessoas que queiram ajudar têm até o dia 23 de janeiro. As doações podem ser entregues na base comunitária, que fica na Rua Sidney Viana, 364, no Jardim Adriana. Esta missão conta com cinco missionários, sendo quatro pessoas de Indaiatuba e uma do Rio de Janeiro. "Com esta missão vamos atender uma média de 500 pessoas, entre famílias e as 150 crianças órfãs que cuidamos lá, há algum tempo. Essas crianças vivem das doações", conta a pastora. "Já fui para lá três vezes fazer esta missão e nestas vezes sempre fomos a lugares onde as pessoas trocam de roupas quando nós levamos a elas. Eu fazia parte de outro projeto como este em São Paulo, agora estou em Indaiatuba e trouxe a iniciativa para a cidade".

"Para chegar a esses lugares com as doações, precisamos fretar ônibus porque não tem transporte coletivo até essas vilas. Quando estou lá, é uma sensação de muita tristeza, pois conseguimos ver que eles não têm vida estável como a que temos aqui. Quando volto, não sou a mesma pessoa, porque vemos a situação deles, sem ter o que comer, é muita pobreza. São crianças que não sabem o que é um pirulito, temos que abrir o pirulito e colocar na boca da criança. Os pais acabam brincando com os brinquedos que levamos, porque são coisas diferentes, que eles nunca tinham visto. Lá não tem água, nesta viagem ficamos em média 14 dias só viajando, em lugares perigosos com muitas montanhas", compartilha. Além da Bolívia, Cleide conta que ajuda as crianças na África e do Nordeste brasileiro.


Fonte:


Notícias relevantes: