Indaiatuba

IBGE vê queda de 6,5% nas vendas do varejo

O ano de 2016 foi um dos piores para o varejo brasileiro. O balanço realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgado na última terça-feira, apontou queda de 6,5% nas vendas, em relação a 2015. O setor de alimentos, incluindo hipermercados, supermercados, bebidas e fumo, foi o que mais teve impacto, com retração de 3,1%.

De acordo com o IBGE, a queda é histórica, desde o início da série da pesquisa, em 2001, já que seis entre as oito categorias pesquisadas tiveram variação negativa. O segmento mais atingido pela crise, além do de alimentos, foi o de móveis e eletrodomésticos, que amargou queda de 12,6% nas vendas.

No caso dos hipermercados, o Instituto explica que a retração ocorreu por causa da perda da renda real do consumidor brasileiro. Em relação ao comércio de eletrodomésticos, a variação negativa se deve ao fato do setor operar conforme a disponibilidade de crédito e sob a influência da taxa de juros - fatores que refletem diretamente nos rendimentos da população.

No comparativo entre dezembro e novembro do ano passado também houve redução no varejo; o estudo do IBGE revelou queda de 2%, após a alta de 1% obtida em novembro.

Variáveis

Em contrapartida, o segmento de combustíveis e lubrificantes obteve crescimento de 2,1%. Apesar da alta, os números não chegaram a impactar o resultado no acumulado do ano, que registrou recuo de 6%. A redução se deve após as oito taxas negativas seguidas do setor.

Já os hipermercados foram responsáveis pelo recuo de 4,9% de dezembro, em comparação ao mesmo mês em 2015. De acordo com a pesquisa do IBGE, a queda no setor foi de 2,9%. Mas, ao comparar os números do mercado de móveis e eletrodomésticos, de tecidos, vestuário e calçados, os indicadores são piores, com retrocessos que vão de 8,9% a 8,8% respectivamente.

O comércio de veículos (incluindo peças) e de material de construção foram os que menos tiveram queda, com variação negativa de apenas 0,1% no comparativo entre os dois últimos meses de 2016. Contudo, no acumulado do ano o setor varejista ampliado registrou a queda mais significativa da série histórica, com redução de 8,7%. As vendas de veículos e peças (-14%) e dos materiais de construção (-10,7%) também influenciaram negativamente nos resultados.


Fonte:


Notícias relevantes: