Indaiatuba

Acoucai lança Carta Magna e ganha terreno para sede

A 4ª Assembleia Geral da Associação das Comunidades Afro-Brasileiras e de Cultura Popular (Acoucai) marcou a história da Umbanda e Candomblé do município e no país. O evento realizado no dia 1º de junho, na Câmara Municipal, teve dois importantes marcos: o lançamento da Carta Magna da Umbanda e a concessão de um terreno para a associação.

O lançamento da Carta Magna da Umbanda foi feito pelo Pai Ortiz Belo. "A Carta Magna da Umbanda é um documento que legitima a Umbanda como religião, são princípios éticos que a religião Umbanda segue. A Carta Magna da Umbanda está sendo lançada a nível internacional, e na região do interior a cidade escolhida para sediar o lançamento foi Indaiatuba. Isso é muito importante, pois mostra o maravilhoso trabalho que estamos fazendo aqui", comentou o presidente da Acoucai, Leandro Barbieri.

A Acoucai recebeu na assembleia o contrato de concessão de uso da sede e santuário da Umbanda, entregue pelo prefeito Nilson Gaspar (PMDB). "Nós ganhamos a concessão de uso de um terreno de 2.000m2 para a construção de nossa sede, em alvenaria e mais 118.000m2 para a construção do maior santuário ecumênico do Brasil, é uma área preservada de APP (Áreas de Preservação Permanente). Todas nossas ações são sociais, agora mais ainda, iremos vender pizzas, feijoadas, festividades, tudo em prol da construção, onde será um ponto de encontro a toda comunidade afro-brasileira", explica Barbieri. "As religiões de matrizes africanas cultuam um Deus vivo presente na natureza, nós cultuamos e respeitamos a natureza e tudo existente nela, será um grande passo para Indaiatuba se tornar uma cidade com mais um ponto turístico e um ponto religioso, será referência dentro do Brasil", reforça.

No evento, além do prefeito e dos membros da Acoucai, estiveram presentes autoridades municipais, os juristas Dr. Basilio e Dr. Hédio, mais de 300 adeptos e simpatizantes da Umbanda e Candomblé, e mais de 40 casas de culto afro representados. 

Barbieri reforça que, hoje, a Acoucai tem vários projetos sociais. "Todos nossos eventos são de entrada social, não cobramos um valor em dinheiro, e sim alimentos, roupas e leite, que posteriormente doamos para outras instituições da cidade. Temos trabalhos com dependentes químicos, moradores em situação de rua e lutamos pela minoria", afirma. "Nossa religião é muito rotulada, por isso sofre muito preconceito, quando na verdade os alicerces de nossa religião são caridade, a bondade e o amor ao próximo, independente de sua etnia, crença, opção sexual e outras, acreditamos em um Deus único, e nos Orixás que são energias deste Deus presentes na Terra para nos amparar e nos ajudar em nossa evolução espiritual. Em nossos terreiros praticamos apenas a caridade, nenhuma ajuda é cobrada", ressalta Barbieri.


Fonte:


Notícias relevantes: