Indaiatuba

Campanha de vacinação contra a influenza foi encerrada ontem

A Prefeitura divulgou que a campanha de vacinação contra a influenza foi encerrada ontem. A Secretaria de Saúde vem seguindo as orientações do governo paulista e, de acordo com o quantitativo de vacinas disponíveis, foram inclusas pessoas com idades entre 50 e 59 anos, além de motoristas, cobradores e trabalhadores do transporte rodoviário e condutores de taxi e vans escolares.

Todavia, a assessoria da Pasta salientou que a imunização em todos os grupos prossegue até que sejam finalizados os estoques. Todas as Unidades Básicas de Saúde (UBS) e Programas Saúde da Família (PSF) estão aplicando as doses contra a influenza.

Os grupos prioritários para receber a vacina são: trabalhadores de saúde dos serviços públicos e privados; pessoas com 50 anos ou mais de idade; gestantes, puérperas (mulheres que tiveram filhos há 40 dias); crianças (a partir dos seis meses e menores de cinco anos); indígenas; portadores de comorbidades (doenças crônicas como hipertensão, diabetes tipo 2, asma) e professores.

Para ser vacinado, basta levar a carteirinha de vacinação, um documento pessoal com foto e o comprovante de que faz parte de um dos grupos prioritários, tais como: carta médica, holerite ou identificação profissional.

Até a última quarta-feira, Indaiatuba aplicou 50.248 doses e imunizou 87% do grupo prioritário, sendo: crianças (67,86%); gestantes (67,55%); puérperas (86,46%); idosos (102,19%); trabalhadores de saúde (83,23%); professores (1.662 doses aplicadas) e pessoas com comorbidades (10.901 doses).

Rede particular

Inicialmente, a campanha de vacinação contra a gripe era para terminar no dia 26 de maio, porém, devido à baixa procura por parte da população dos grupos prioritários, o governo de São Paulo decidiu por expandir o prazo por duas vezes: primeiro, a prorrogação foi até 9 de junho, e depois, até o dia 23.

Enquanto que, no Brasil, o Ministério da Saúde abriu a imunização para a população em geral, a partir de 2 de junho, o município optou por seguir a orientação do governo paulista de prosseguir vacinando só os grupos prioritários. Dessa forma, a procura pela vacina em clínicas particulares aumentou.

"A demanda cresceu bastante nas últimas semanas, especialmente depois da incidência do clima frio", afirma a enfermeira Josieli Proença, responsável por uma clínica no Centro. "Estamos atendendo aproximadamente 40 pessoas por dia, que vêm se vacinar contra a influenza", completa.

Ela revela ainda que a clínica conta com um bom estoque de imunização. "Temos mais ou menos duas mil doses", comenta. Em relação ao custo, a enfermeira diz que estão sendo cobrados valores abaixo da média. "A trivalente sai por R$ 70 à vista e R$ 80 no cartão de crédito; já a tetravalente fica em R$ 110 à vista e R$ 120 no cartão. Dependendo do caso, o valor pode ser parcelado", conclui Josieli.

Larissa Pinheiro Barufaldi, gestora de uma clínica de imunização no Jardim Pompeia, destaca, por sua vez, que a procura pela vacina contra a influenza tem sido baixa. "Este ano, as pessoas se preocuparam mais com a febre amarela", acrescenta. "No início a procura foi maior, mas a vacina estava em falta. A demanda entrou na normalidade após a rede pública começar a distribuir as doses", explica.

Existem duas vacinas contra a gripe: a Trivalente (contra o H1N1 e mais dois vírus), que está disponível nos postos de saúde e clínicas; e a Tetravalente (contra o H1N1 e outros três vírus), disponível somente na rede particular. "Da tetravalente adulto nós aplicamos 250 doses, e da infantil, 50 doses; da trivalente, foram 150 doses. São números bem baixos, se compararmos à campanha do ano passado, quando a procura foi muito grande", finaliza Larissa.


Fonte:


Notícias relevantes: