Indaiatuba

Motoristas dizem que medida facilita o planejamento nos pontos críticos

A reportagem conversou com um motorista parceiro da Uber há dois meses, que não tinha liminar particular. Roberto Ginefra contou à Tribuna que a liminar concedida nesta semana é um alívio. "Depois do investimento que somos obrigados a fazer, como retirar nova CNH onde consta 'motorista remunerado', gastar tempo com viagens a Campinas ou São Paulo para finalizar o cadastro, preparar documentações autenticadas e fotografias, saber que vamos poder trabalhar respaldados nesta liminar é um alivio", diz. "Esta liminar deu e dará aos motoristas parceiros da Uber chance de melhorar nosso planejamento nos pontos críticos da cidade, para prestar o melhor atendimento à população".

Ginefra conta que os motoristas que atuam em Indaiatuba trabalhavam com receio. "Pedíamos para os clientes, quando sozinho, que fossem ao nosso lado e não atrás, para evitar conotação de motorista Uber ou particular. Os celulares que tem o aplicativo com GPS viajavam escondidos dificultando, em muitos casos a leitura correta do trajeto e aí sim, colocando a viagem em risco", conta. "Sabíamos que era uma questão de tempo Indaiatuba ter uma liminar, pois outras cidades já estavam autorizadas. Pena que não temos o direito de adquirir um carro zero quilômetro com 30% de desconto, como os taxistas tem. Num país com 14 milhões de habitantes desempregados, você não pode impedir o cidadão de exercer uma atividade remunerada para pagar suas contas, cuidar de sua família com alimentação, escola e saúde. Gostaria muito que Indaiatuba fosse a primeira cidade a retirar as taxas cobradas aos taxistas, para que eles pudessem concorrer livremente", comenta Ginefra.

A reportagem também conversou com o motorista que trabalha na cidade desde novembro de 2016. "Como eu já tenho liminar, para mim não fará muita diferença, mas vai melhorar para os demais motoristas que tinham medo de trabalhar como parceiros da Uber. Espero que também consigam fazer algo por quem já foi multado, como é meu caso", diz o motorista que preferiu não ser identificado.

O motorista acrescentou que cresceu o número de pessoas que utilizam Uber em Indaiatuba. "Acredito que este crescimento é por causa da situação do transporte público na cidade, pela demora dos ônibus, principalmente aos finais de semana que passam apenas de 3h em 3h em alguns bairros, ou param de circular ás 22h, como é o caso de Itaici", cita. "A Uber trouxe novos clientes, pessoas que jamais pegou táxi ou que não poderia pagar por um táxi começaram a utilizar Uber; 75% das pessoas que atendo tem pouco poder aquisitivo. São também adolescentes que estão voltando da escola, da balada, da casa de amigos. Hoje, na cidade, as pessoas não deixam mais de passear por não terem carro. Já atendi muitas pessoas que estavam andando de Uber pela primeira vez. Muitos fizeram o pedido por meio de terceiros por não ter celular, não estar com crédito, ou tem celular, mas ele não suporta o aplicativo", conta.

O parceiro da Uber também contou que aumentou o número de motoristas que trabalham com o aplicativo no município. "Em função da crise econômica cresceu muito o número de motoristas Uber na cidade, posso dizer que caiu pela metade o número de corridas nos últimos meses, devido ao aumento da concorrência. Hoje, a Uber é meu único emprego, mas estou procurando recolocação no mercado de trabalho. A Uber é um complemento de renda, até porque para ser a principal renda a pessoa tem eu dirigir muito, pois a rentabilidade é baixa. Acredito que esta liminar vai ajudar a surgir mais clientes", opina.

O motorista entrevistado pela Tribuna conseguiu sua liminar por meio da advogada Kelly Cristine Pereira Artem. Kelly está a frente de 40 pedidos de liminar de segurança, sendo que 20 delas já tiveram sentença favorável. "Esta liminar concedida pela 7ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça vale para todos os motoristas que não tem liminar até o momento. A Uber não conseguiu esta liminar no Ministério Público de Indaiatuba porque alguns juízes entendem que a Uber não tem legitimidade para pedir a liminar, mas a empresa conseguiu reverter isso no Tribunal de Justiça", explica. "A orientação que estou passando é que, quem já está com ação para pedir a liminar particular deve continuar com a ação porque não sabemos se a prefeitura recorrerá. O ideal seria uma legalização pela prefeitura, e não os motoristas terem que depender de uma liminar para trabalhar como parceiros da Uber", afirma.


Fonte:


Notícias relevantes: