Indaiatuba

Índices de criminalidade caíram entre janeiro e maio

A Secretaria de Segurança de Indaiatuba divulgou ontem que, entre janeiro de maio de 2017, o índice de criminalidade caiu na cidade. Este ano, foram 27 ocorrências de roubo de veículos, uma queda de 38,64% em relação ao mesmo período de 2016, quando ocorreram 44 casos. Já em relação aos furtos de veículos, a redução foi de 26,51%, pois este ano foram registradas 61 ocorrências e, no ano passado, 83.

Os roubos também retraíram, passando de 252 ocorrências em 2016 para 215 em 2017 (menos 14,68%). A taxa de homicídios caiu 50% frente a 2016, pois de janeiro a maio do ano passado foram dois casos e no mesmo período de 2017 apenas um. Porém, os furtos apresentaram uma sucinta elevação de 1,85%, sendo 703 em 2016 e 716 este ano.

No estado de São Paulo, a taxa por cem mil habitantes em homicídio doloso de janeiro a maio é de 3,59; e na Região Metropolitana de Campinas (RMC) a taxa é ainda maior, sendo de 4,48. Em Indaiatuba a taxa de homicídio doloso por cem mil habitantes é de apenas 0,43. Comparando a taxa de roubo por cem mil habitantes, o Estado está com 496,13; a RMC tem 476,17 e Indaiatuba com 309,91. Conferindo com a taxa de furto, o Estado está com 306,38; a RMC com 225,98 e Indaiatuba com 93,06. Por fim a Taxa de Furto/Roubo de veículos por 100 mil habitantes no estado de São Paulo é de 166,93; na RMC é 183,04 e em Indaiatuba, somente 38,09.

De acordo com o secretário de Segurança Pública, Alexandre Guedes, as baixas taxas de criminalidade em Indaiatuba refletem o investimento no setor. "Em 2008 fizemos pesquisas voltadas às necessidades dos moradores, que apontaram que a cidade estava intranquila pela falta de segurança", lembra.

Acompanhamento

O secretário destaca ter feito parte de um grupo para buscar novidades em outros municípios, com o objetivo de implantar aqui uma forma de reduzir os números e aumentar a sensação de segurança da população. "Após levantamentos e relatório apresentado, a decisão foi a de investir em tecnologia, no auxílio dos agentes na rua e na valorização dos profissionais", explica Alexandre.

"Os últimos anos também foram marcados pelo retorno do trabalho em conjunto das forças policiais. Desde 2012, há um policial militar no Centro de Operações, Atendimento e Despacho (Coade) da Guarda Civil. Dessa maneira, as ocorrências são compartilhadas entre essas duas forças policiais, o que garante maior agilidade no atendimento à população e maior segurança aos agentes que estão no trabalho na rua, pois o apoio de outras viaturas é muito mais rápido e o resultado está nos números", completa.

Para o prefeito Nilson Gaspar (PMDB), essa união aliada à tecnologia, além da dedicação dos profissionais, resulta em práticas efetivas no combate à criminalidade. "O COI da nossa Guarda Civil é uma referência no Brasil e no exterior. Já recebemos mais de 200 visitas. Ele também é uma ferramenta utilizada pela Polícia Civil na solução de crimes. Colocamos nossa estrutura tecnológica à disposição da Polícia Civil e da PM, já que essa união de forças policiais é primordial", avalia.


Fonte:


Notícias relevantes: