Indaiatuba

Prefeitura amplia acesso à informação sobre remédios dispensados na rede

medicamentos

A Prefeitura de Indaiatuba divulgou o acesso à visualização da lista dos medicamentos padronizados dispensados nas unidades de saúde e farmácias vinculadas à Secretaria Municipal de Saúde. Agora, além de poder visualizar a listagem completa, em ordem alfabética, de todos os medicamentos, inclusive os de alto custo, o cidadão poderá conferir em quais locais eles podem ser retirados.

Segundo a coordenadora da Assistência Farmacêutica em Indaiatuba, Melina Pansonatto Pereira, o objetivo é facilitar o acesso para o cidadão e também para os médicos, que poderão visualizar quais doenças são tratadas pelo Componente Especializado da Assistência Farmacêutica (CEAF), assim como os medicamentos dispensados. "O próprio médico poderá imprimir o formulário de solicitação para que o paciente preencha e dê entrada ao processo para a obtenção de determinado medicamento", explica.

Melina lembra que a Secretaria de Estado da Saúde é bastante criteriosa na dispensação dos remédios de alto custo, que somente são autorizados após avaliação de uma comissão técnica. "Se toda a documentação e requisitos em até 40 dias após a abertura do processo", salienta. Para a retirada de medicamentos padronizados pelo município nas unidades de saúde e farmácias vinculadas à Secretaria de Saúde, os pacientes devem apresentar a receita médica original (validade menor que seis meses), o cartão do SUS original, um comprovante de endereço, RG e CPF. A lista dos documentos necessários para a obtenção dos medicamentos de Alto Custo pode ser visualizada em

https://goo.gl/NNGp2h.

Lei municipal

A divulgação da relação de medicamentos disponibilizados na internet pela Assistência Farmacêutica da Prefeitura está de acordo com Lei Municipal nº 6.729, de autoria do vereador Luiz Alberto Pereira, Cebolinha (PMDB), de junho de 2017. A lista pode ser conferida na página oficial www.indaiatuba.sp.gov.br, na opção Secretarias e Órgãos, acessando o ícone saúde, e em seguida padronização de medicamentos (à direita na tela).

Na lista do CEAF, onde estão os medicamentos de alto custo, cujo link está disponível ao final da página, está incluso o detalhamento com a especificação da doença atendida e a Classificação Internacional de Doenças (CID).

Alívio

Para os munícipes, a iniciativa é um desejo antigo, já que estão cansados de ir até a farmácia e descobrir que a medicação não está disponível. Edna S. E. Costa é analista de importação e está fazendo um tratamento neurológico. O medicamento dela é de alto custo e ela não teria condições de bancar mensalmente a caixa de comprimidos, que custa mais de R$ 500. 

"Terei de tomar o remédio por alguns meses e a primeira caixa tive de comprar, pois leva um tempo até a farmácia disponibilizar. Mas, na fila, vi pessoas voltando para casa sem a medicação e fiquei preocupada. Ainda bem que o meu sempre chegou no prazo", conta.

Não teve a mesma sorte um paciente da região central, que preferiu não ter seu nome divulgado. Ele fala que já perdeu dias de trabalho só para ficar na fila da farmácia. "O medicamento está em falta na farmácia popular, e nas drogarias conveniadas o preço está um pouco salgado", alega.

Para eles, agora será bem mais fácil saber se o remédio está disponível na rede. "Espero que seja disponibilizado logo; de qualquer forma, pelo menos não serei mais forçado a perder o dia nas filas", conclui o paciente.


Fonte:


Notícias relevantes: