Indaiatuba

Obras em rede de esgoto da Estação Mário Candello estão em nova etapa

O Serviço Autônomo de Água e Esgotos (Saae), por meio da construtora Elevação, efetuou, na última quarta-feira, nova concretagem da parede dos decantadores, e o estaqueamento para os prédios para o novo tratamento preliminar e casa de sopradores que serão construídos próximo ao prédio do Laboratório de Efluentes.

A empresa prestadora do serviço é responsável pela obra de adequação e ampliação da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) Mário Araldo Candello, localizada no Distrito Industrial Vitória Martini. As obras do novo tanque de aeração, dos prédios dos aeradores, adensadores de lodo, estação elevatória e o tanque de contato seguem de acordo com o cronograma.

Os decantadores, com o total de três previstos em projeto, fazem o processo de separação sólido-líquido por gravidade. Ao receber o efluente, a fase sólida insolúvel é separada da fase líquida pela ação da gravidade. As estruturas internas do equipamento impedem as partículas sólidas de acompanharem o fluxo do líquido.

O tratamento preliminar é o processo de separação dos sólidos mais grosseiros, tais como a gradagem (chamado de gradeamento) que pode ser composto por grades grosseiras, grades finas e/ou peneiras rotativas. É onde acontece a separação de todo material sólido descartado de forma irregular na rede de esgoto.

Estação

A estação utiliza um dos mais avançados métodos de tratamento de esgoto do mundo: o biológico, pelo processo de lodos ativados por aeração prolongada com ar difuso, cuja finalidade é introduzir ar atmosférico na massa líquida. A eficiência mínima será de 95% na remoção de DBO e de 80% na remoção de nutrientes (NTK).

Hoje, sua capacidade atual de tratamento é de 1000 litros por segundo, com uma carga orgânica de 200 DBO5 mg/l. Após as obras, sua vazão máxima de tratamento será ampliada para 1320 L/s e uma carga orgânica diária estimada em 458 DBO5 mg/l.

A ampliação também contempla o modelo de tratamento terciário, pela desinfecção do efluente por hipoclorito de sódio e utilização de membranas ultra filtrantes no processo de produção de água de reuso. O resultado do tratamento será um produto que poderá ser utilizada por empresas que não usam água tratada em suas linhas de produção, para lavagem de ruas e rega de jardins.


Fonte:


Notícias relevantes: