Indaiatuba

Especialista em direito do consumidor orienta prestar atenção às ofertas disponíveis

A Black Friday foi criada na Filadélfia, Estados Unidos, com o intuito de marcar a ação das vendas que ocorre um dia depois do feriado de Ação de Graças, tradicional naquele país.

De acordo com o portal www.blackfriday.com.br, idealizador do evento no Brasil, em 2016 as lojas virtuais receberam 2,23 milhões de pedidos, gerando faturamento de R$ 1,9 bilhão. As categorias mais procuradas foram de eletrodomésticos, eletrônicos e viagens.

Para este ano, a estimativa é a de que haja um movimento próximo a R$ 2,2 bilhões. Já as intenções de compras indicadas na pesquisa apontam para aparelhos celulares, eletrodomésticos e itens de informática.

Contudo, para não cair em armadilhas, o advogado especialista em direito do consumidor, Rodrigo Soares, orienta mais atenção às ofertas. "Se o desconto for muito alto é melhor desconfiar. Alguns lojistas aumentam os preços dias antes, para que na Black Friday o produto seja comercializado pelo valor anterior como uma grande oferta. Outros colocam à venda peças de mostruário ou obsoletas", revela.

Ele explica ainda que atualmente o Programa de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon) monitora as empresas para que isso não ocorra; no entanto, é sempre bom estar vigilante às artimanhas do comércio. "Listar desde já os produtos que quer e os preços; pesquisar e conferir a idoneidade da loja são algumas formas de se prevenir", cita Soares.

Racional

Além de monitorar os valores, o advogado chama a atenção para outro ponto importante: as compras por impulso. "Ao se deparar com um anúncio de desconto, o consumidor pode agir com a emoção. Por isso, vale lembrar que lojas físicas não são obrigadas por lei a trocar o produto adquirido ou devolver o valor da compra por motivo de desistência. A troca só ocorrerá se o produto apresentar defeito. E nas compras via e-commerce, o consumidor terá até sete dias a contar do recebimento do produto ou serviço para desistir do contrato", esclarece.

Soares também indica pesquisar sobre a loja, conferir se a mercadoria está lacrada e verificar se há aviso de defeito no produto.


Fonte:


Notícias relevantes: