Indaiatuba

Controle da dengue exige atenção da população, alerta coordenador

Apesar do índice satisfatório a-

pontado pelo Programa Muni-

cipal de Controle da Dengue, o combate à doença exige atenção continuada da população. O alerta é do coordenador do pro-

grama, Ulisses Bernardinetti.

"Muitas pessoas ainda deixam a água ficar acumulada em suas residências ou em comércios, indústrias, como também há descarte irregular de entulhos e lixos em terrenos baldios", comenta. Ele explica que o ciclo do mosquito ocorre em sete dias em condições favoráveis de temperatura e alimento. "Eles se reproduzem muito rapidamente, considerando que ainda estamos no início do período de verão", comenta.

O programa de combate à dengue encerrou no dia 25 o processo de Avaliação de Densidade Larvária (ADL), que identifica os níveis de infestação do Aedes Aegypti em toda a cidade. A pesquisa é feita no início de cada trimestre e os resultados são utilizados como base para estratégias de controle do vetor da dengue, zika e chikungunya. Mais de 3 mil imóveis foram vistoriados por 35 agentes da saúde. Foram 107 quarteirões percorridos e 3.153 imóveis trabalhados com 15 coletas positivas para larvas.

O índice Breteau - relação entre o número de recipientes positivos e o número de imóveis pesquisados, corrigido de forma que o resultado seja expresso para 100 imóveis - apresentou na primeira avaliação do ano o resultado de 0,6 em todo o município. A condição é satisfatória, segundo os indicadores definidos pelo Ministério da Saúde.

De acordo com o levantamento, os bairros com maior risco são Jardim Esplanada (três coletas de larvas); Jardim Jequitibás, Residencial Santa Clara, Condomínio Paradiso e Cidade Nova (duas coletas cada); e

Chácaras Areal, Jardim Pau Preto, Jardim Rêmulo Zoppi, Jardim Santa Rita, Mosteiro e Terras de Itaici (uma coleta).

Este ano, Indaiatuba não re-

gistrou nenhum caso de dengue, zika ou chikungunya. Há dez casos aguardando resulta-

do do Instituto Adolfo Lutz. Des-

ses, nove são suspeitos de dengue e um de chikungunya.


Fonte:


Notícias relevantes: