Parceria viabiliza aulas de arte marcial para deficientes visuais

Indaiatuba

Parceria viabiliza aulas de arte marcial para deficientes visuais

O Sesi Indaiatuba e a Organização da Sociedade Civil (OSC) Gabriel acabam de firmar parceria para aulas de tae kwon do para deficientes visuais. O termo foi assinado na última quinta-feira (19), e as aulas terão início em agosto.

O principal objetivo da atividade é sistematizar o método tae kwon do para múltiplas deficiências e analisar os benefícios da aprendizagem no desenvolvimento da pessoa como um todo. "A prática irá auxiliar o deficiente visual, por meio de exercícios físicos, na melhoria da postura, equilíbrio, noção corporal e espacial, locomoção, expressividade e nas ações do dia a dia", comenta Maria Inês de Carvalho, presidente da Gabriel.

O time, formado por alunos de orientação e mobilidade, do projeto Olhos do Coração, dos Amigos dos Deficientes Visuais de Indaiatuba (ADVI), desenvolvido pela OSC Gabriel, foi batizado de Tigres de Bengala, pelo seu mestre, o professor Fábio Antonio Ferreira da Silva. Ele começou no projeto ainda em 2017, como voluntário, a convite da professora e terapeuta ocupacional Carolina Camargo, que atua junto à Gabriel ministrando aulas de orientação e mobilidade.

Cerca de dez deficientes visuais participam gratuitamente da prática de arte marcial, originada na Coreia. Segundo Maria Inês, eles já apresentam avanços consideráveis em vários aspectos. "As aulas favorecem a confiança e a autoestima, integrando corpo e mente", assegura.

Parte do material necessário nas aulas foi doada pelo Rotary Club de Indaiatuba, sendo dez uniformes doboks, dois pares de raquetes duplas e dois aparadores de chute. O projeto busca também apoiadores e patrocínio. Os interessados em participar devem entrar em contato com a Gabriel, pelo telefone (19) 3801-2047. Mais informações no site www.gabriel.org.br.

O mestre

O professor Fábio pratica tae kwon do há 20 anos. É faixa preta 1º Dan, pela Federação do Estado de São Paulo; faixa preta internacional 1º Dan, pelo Exército da Coreia do Sul (Universidade Kukkiwon); e formado em parataekwondo, pela Confederação Brasileira de Paratae kwon do pelo Comitê Paraolímpico Brasileiro. O profissional também desenvolve, estuda e pratica o tae kwon do adaptado para deficientes há cerca de dez anos.


Fonte:


Notícias relevantes: