Política

Bolsonaro critica aumento de 39% no gás natural

André Motta de Souza / Agência Petrobras
Esferas de armazenamento de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) da Refinaria Duque de Caxias - REDUC
Crédito: André Motta de Souza / Agência Petrobras

O presidente Jair Bolsonaro demonstrou irritação com o reajuste de 39% no preço do gás natural. Em discurso na solenidade de posse do novo diretor-geral da Itaipu Binacional, nesta quarta-feira (7), Bolsonaro considerou "inadmissível" a decisão da Petrobras, anunciada na segunda-feira (5).

"É inadmissível se anunciar agora, o velho presidente [da Petrobras] ainda, um reajuste de 39% no gás. É inadmissível. Que contratos são esses? Que acordos foram esses? Foram feitos pensando no Brasil, num período de três meses? Não vou interferir, a imprensa vai dizer o contrário", criticou. 

O presidente fez referência ao presidente da estatal, Roberto Castello Branco, que deixará o cargo nos próximos dias, passando o comando da empresa para o ex-presidente de Itaipu Joaquim Silva e Luna, que acompanhou o discurso de Bolsonaro. Ele deverá ser confirmado como novo presidente da Petrobras na assembleia do Conselho Administrativo da empresa, prevista para o próximo dia 12.

O novo valor do gás natural valerá a partir do dia 1º de maio. Ao contrário de outros combustíveis, como gasolina e diesel, o gás natural é corrigido em intervalos regulares, a cada três meses. De acordo com a Petrobras, o aumento se deve à aplicação das fórmulas dos contratos de fornecimento, que vinculam o preço à cotação do petróleo e à taxa de câmbio, nos meses anteriores. Logo, o preço que será praticado em maio, junho e julho, tem como referência as variações verificadas em janeiro, fevereiro e março. Durante esse período, o petróleo subiu 38%, seguindo a tendência de alta das commodities globais. Além disso, os preços domésticos das commodities também subiram com a desvalorização do real.

O gás natural é destinado principalmente para a indústria, geração de energia elétrica e veículos movidos a gás, com as residências respondendo por apenas 2% do consumo desse combustível no país, conforme dados de 2020 da Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado (Abegás). O gás natural é diferente, portanto, do gás liquefeito de petróleo (GLP), o gás de cozinha, usado na grande maioria das residências brasileiras. Em 2020, o botijão de GLP acumula aumento de 17% nas refinarias.


Fonte:


Notícias relevantes: